A bússola mariateguiana e a questão indígena

Autores: 
Carmen Susana Tornquist

Resumo

Na sua proposição acerca do problema do índio, com a qual abre o segundo capítulo de “Sete ensaios de interpretação da realidade peruana”, em 1928, José Carlos Mariátegui diz que ela deve ser pensada como fundamentalmente um problema da terra, e não como uma questão étnica, educacional ou administrativa, como, a seu ver, esta temática vinha sendo pensada naquele contexto. Esta comunicação pretende argumentar que a tese defendida por Mariátegui para pensar a realidade peruana segue sendo atual e urgente. Para tanto, trata de caracterizar, em linhas gerais, a trajetória do autor, à luz do tempo histórico que viveu, e como a questão indígena se colocava naquele momento. Para pensar os atuais conflitos vividos pelos povos indígenas no Brasil, propomos que seja tomada a máxima mariateguiana como a principal orientação de análise, ou seja, como uma bússola orienta o viajante em seu percurso.