Coronavírus: a lógica é deixar morrer