Confirmado Jovenel Moise na presidência do Haiti

5 de Janeiro de 2017, por Elaine Tavares

Autoridades eleitorais haitianas divulgaram ontem o resultado da recontagem dos votos da eleição presidencial. Foi confirmado pelo Conselho Eleitoral que Jovenel Mose garantiu 55,60% dos votos, sendo, portanto, o novo presidente do país, sendo que não será necessário um segundo turno. Segundo o Tribunal Eleitoral do Haiti ficou comprovado que houve irregularidades, mas  não foi constatada nenhuma fraude massiva que pudesse afetar o resultado final. 

O resultado certamente não agradou os candidatos Jude Célestin, da Liga Alternativa para o Progresso e a Emancipação do Haití (LAPEH); Maryse Narcisse, do Fanmi Lavalas, e Moise Jean Charles, do Pitit Dessalines, que foram os que entraram com ações jurídicas e exigiram uma revisão das atas de votação. Agora será necessário ver se a população aceita o veredito do TEH. "Nós não concordamos", anunciaram, e prometeram seguir lutando para provar que houve fraude.  

As eleições aconteceram em 20 de novembro do ano passado, e envolveram mais de 50 candidatos. Denúncias de fraude levaram a levantamentos e protestos populares obrigando a recontagem. 

O novo presidente Jovenel Moise, é um jovem empresário de 48 anos, nascido em Trou du Nord, no noroeste do país caribeño. Sua família tem origem camponesas e migrou para a capital em 1974, onde Jovenel fez todos seus estudos, até a graduação em Ciências da Educação, na Universidade Quisqueya.

Sua atuação como empresário foi na presidência da Agritrans, empresa dedicada a produção de bananas que tem mais de três mil empregados e se dedica totalmente à exportação.

No discurso que fez á nação na noite do dia 3, logo após a divulgação dos resultados, Moses prometeu combater a corrupção, a instabilidade política, difamação e inércia, a fim de colocar o país no caminho do progresso.

O partido do jovem presidente também fez o maior número de cadeiras no legislativo. Nos jornais do Haiti, as notícias da vitória, com a afirmação de que houve irregularidades, mostram que Moses não terá um governo tranquilo. 

Informações: Telesur e jornais do Haiti.