De Meiembipe a Chuquisaca: a Descoberta do Império Inca

11 de Março de 2019, por IELA


Texto: Divulgação

Verão de 1516. Uma embarcação espanhola naufraga em Meiembipe, atual Ilha de Santa Catarina. Um dos sobreviventes, Aleixo Garcia, protagoniza uma das maiores aventuras para um europeu em terras brasileiras: percorrer a pé, na companhia de centenas de guaranis, um trajeto de três mil quilômetros, de Florianópolis até o território inca, na Cordilheira dos Andes. A partir daí o Sul do Brasil vive uma verdadeira “corrida da prata”, antes mesmo do início da colonização oficial do Brasil.

Esse é o tema do documentário “De Meiembipe a Chuquisaca: a descoberta do Império Inca” que estreia no dia 13 de março, com duas sessões, às 19h e às 20h, no Cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC). Com direção de Carolina Borges de Andrade, direção de arte e ilustrações de Eloar Guazzelli, direção de produção de Alexandre Peres de Pinho e animação de Lucas Feitosa, a obra narra a aventura do espanhol Aleixo Garcia pela principal transcontinental indígena do Cone Sul, o Peabiru, que se conectava ao Khapac Ñan, a rede de estradas incaicas, no Alto Peru (atual Bolívia).

O filme, um híbrido de animação e live action, reúne o gênero road movie, ou “filme de estrada”, já que os realizadores refizeram a viagem de Garcia nos dias atuais, percorrendo as principais cidades e estados brasileiros, paraguaios e bolivianos por onde passou o protagonista, no então Caminho do Peabiru, na tentativa de refazer a rota Guarani.

Além de estar onde esteve Garcia, o filme faz o telespectador embarcar ainda mais nesta aventura ao entrevistar pessoas dos três países: Brasil, Paraguai e Bolívia. Entre eles, o jornalista e escritor brasileiro Eduardo Bueno (o Peninha), autor da coleção Terra Brasilis, e o jesuíta espanhol naturalizado paraguaio, Bartomeu Meliá, um dos mais importantes guaraniólogos da atualidade, atualmente com 87 anos de idade.

Segundo a diretora do documentário, Carolina Borges de Andrade, o edital do Prêmio Catarinense de Cinema possibilitou contar esta aventura em terras brasileiras, antes do início da colonização oficial do Brasil, e revelar a riqueza da cultura dos povos originários da região. “Por meio do filme é possível perceber o intercâmbio entre guaranis (terras baixas) e incas (terras altas). É imprescindível para a identidade brasileira, especialmente do sul do Brasil, o conhecimento da riquíssima história desse período”.

Para Guazzelli, premiado ilustrador e quadrinista, realizar a direção de arte para o curta-metragem foi, literalmente, uma aventura. O ilustrador percorreu com a equipe trechos da viagem no Brasil e na Bolívia. “Ao longo de muitas estradas e processos criativos, a equipe conseguiu recriar um universo maravilhoso e ainda desconhecido do grande público. E acho que deu muito certo”, comemora.

Reviver a rota de Aleixo Garcia também foi uma verdadeira aventura para a equipe que, além de enfrentar as dificuldades de qualquer grande viagem, os trâmites de cruzar várias aduanas e fronteiras com muitos equipamentos, ainda precisou ultrapassar um outro desafio para realizar seu objetivo. “Tínhamos muito material bom e uma história complexa para contar no pouco tempo do formato curta-metragem, então tivemos que ter desapego e maestria para chegar ao corte final”, destaca o diretor de produção, Alexandre Peres de Pinho.

E este final ainda tem outra grande surpresa, a animação das ilustrações feitas pelo editor Lucas Feitosa. Com poucos recursos, os desenhos do curta, previstos inicialmente para serem filmados como uma sequência de quadros parados, ganharam sequências animadas graças ao trabalho de finalização de Lucas.

O curta-metragem de 25 minutos de duração foi inspirado no livro da jornalista e escritora Rosana Bond, “A Saga de Aleixo Garcia: o descobridor do Império Inca”, publicado pela Editora Aimberê (1998) e contemplado com o Prêmio Catarinense de Cinema.

A estreia

No lançamento do documentário, o músico e pianista holandês Kristian Schot, autor da trilha sonora original, fará uma apresentação ao vivo utilizando piano. A trilha original do filme, criada por ele, foi inspirada em canções de trovadores medievais dos séculos XV e XVI.

Após a estreia, estão previstas oito exibições públicas em locais a serem definidos depois do lançamento. A faixa etária indicativa de público é livre e pretende contemplar espaços escolares do ensino fundamental, assim como universitários. Além disso, o filme vai percorrer o circuito de festivais nacionais e internacionais de curtas-metragens e de documentários.

A produtora responsável pela realização do filme, Arrebol Produções, da diretora Carolina Borges de Andrade, busca viabilizar a produção de um longa-metragem sobre o mesmo tema, fruto da extensa pesquisa realizada para o curta.

No longa a diretora pretende aprofundar, por meio da tribalização de Aleixo Garcia, temas como a lendária transcontinental indígena Peabiru e a riqueza cultural da grande Nação Guarani, apresentando aspectos como a língua, a medicina fitoterápica, a riqueza astronômica, a cosmologia e a agricultura tradicional com sua abundante produção de alimentos em harmonia com a natureza.

Ficha Técnica

Título: de Meiembipe a Chuquisaca: a Descoberta do Império Inca
Direção, Roteiro e Pesquisa: Carolina Borges de Andrade
Art Concept, Ilustrações e Direção de Arte: Eloar Guazzelli
Direção de Produção, Direção de Fotografia e Montagem: Alexandre Peres de Pinho
Editor de Animação e Finalização: Lucas Feitosa
Trilha Sonora Original: Kristian Scoth
Duração: 25 min
Ano: 2018
Realização: Arrebol Produções
Patrocínio: Prêmio Catarinense de Cinema/ Fundação Catarinense de Cultura
Apoio: Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina (MIS/SC)
E-mail para contato: contato@arrebol.com.br
Serviço:

O quê: Estreia do filme De Meiembipe a Chuquisaca: a Descoberta do Império Inca
Quando: 13/03/2019, às 19h e às 20h
Onde: Sala de Cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis (SC)
Classificação indicativa: livre
Entrada gratuita