Equador: Aliança País reconta votos

10 de Abril de 2017, por Elaine Tavares

 


Recontagem de votos no Equador foi uma boa estratégia contra a manipulação da direita no Equador

Por Elaine Santos[1]

Novamente a história se repete e a direita não aceita a derrota nas urnas. No Equador a agenda do retrocesso foi parcialmente derrotada, uma vez que o partido Alianza Pais também tem suas incoerências contra a população. Todavia, o partido do atual governo derrotou o banqueiro nas eleições do último 2 de abril, fato importante se considerarmos o cenário assombroso que pousou na América Latina nos últimos anos.

Após a vitória de Lenin Moreno para presidência do Equador, o candidato da oposição Guillermo Lasso, convocou a população às ruas gerando protestos de pequenos grupos apoiadores de seu partido e entrou com um pedido formal de recontagem de votos, alegando a possibilidade de fraude e manipulação nas contagens. As verossimilhanças com o caso brasileiro de 2014 nos leva a crer que a direita não vai aceitar facilmente sua derrota nas urnas.

Nesta sexta feira dia 07 de abril o Conselho Eleitoral do Equador iniciou a recontagem de votos em algumas províncias que foram as marcadas por Guillermo Lasso como fraudulentas na eleição realizada em 02 de abril. O partido do candidato Lasso disse que até agora encontrou objeções nas urnas, mas não houve qualquer declaração comprovativa, caso existe de fato uma inconsistência no processo eleitoral as jurisdições provinciais podem entrar com um pedido de impugnação da última eleição.

O partido governista ou o “braço esquerdo da direita”, Alianza Pais, declarou hoje que apoia a recontagem dos votos o atual presidente Correa afirmou que é melhor que a contagem seja pública e também atribuiu o apagão que ocorreu no momento do escrutínio como uma intervenção norte americana[2].  A meu ver, parece ser esta uma estratégia interessante. Um governo que reprimiu violentamente as comunidades indígenas não parece medo da recontagem, consciente que perdeu grande parte do seu eleitorado, precisa ouvir os anseios da população por meio da retomada do diálogo até para que o governo do seu sucessor no começo com este lastro negativo.

O sistema representativo na América Latina e a participação dos movimentos sociais é algo que urge de uma discussão profunda, considerando o caos que estamos vivendo em que muitas vezes a população se encontra completamente perdida, em meios as falsas e manipuladas informações que chegam e a vida cotidiana que engole a todos. No começo do século XXI a América Latina parecia dar uma viragem quanto a participação e intervenção social em assuntos públicos, contudo, passada uma década desse movimento forçado o que tivemos foi exatamente o oposto.

No caso equatoriano, tivemos mudanças sociais que colocaram o país em outro patamar e a aprovação de uma Constituição avançada e reconhecida mundialmente no plano de Correa fazia valer a sua verdade, ou seja, muitas coisas que foram reconhecidas no papel eram vetadas imperativamente na realidade, ainda que isso forçasse o despojamento dos povos, historicamente oprimidos, ou estivesse em contraposição à Constituição. Ou seja, qualquer manifestação social que colocasse em xeque o plano correista de colocar em voga o capitalismo reformado era contestado bruscamente sem que houvesse uma abertura para a discussão das necessidades do povo equatoriano e do seu Buen Vivir, tendo em vista que cada povo possui o seu, não é um conceito dado e válido universalmente.

Tal contradição, observada em vários países da América, clarificou o quão limitada é nossa democracia representativa, nossa participação cidadã se resume a meros consumidores de um dispositivo político falido que faz da população joguetes. Como afirmou Aguilar (apud 2017, p.21) os novos movimentos sociais, surgidos a partir da década de 90 possibilitaram para uma compreensão de classe nos términos marxistas desde a América Latina frente ao colapso do socialismo real em que as tendências marxistas da década de 1990 estavam praticamente emudecidas.

Assumindo essa perspectiva, o que assistimos é a institucionalização dos lutadores acabamos por perder quadros importantes. Corroer o Estado por dentro serve somente para aqueles que acreditam que o Estado não possuí um critério de classe a defender, leia-se, burguesia e seu capital monopolista. Caminhamos para a feitoria a moderna, melhor dizendo, ultrapassamos o período colonial, porém, ainda permanecemos como ponto estratégico de utilização dos nossos bem materiais e humanos.

Vale recordar que no obscurantismo da falta de horizontes que a América Latina se encontra, a população costuma se equivaler dos valores <pequeno> burgueses como os seus, tal preceito é obvio porque os valores da classe dominantes, são os valores dominantes (Marx, 2007). Não é fácil desenredar-se de tal preceito, todo o nosso processo de socialização se funda sob esta égide, no sustentáculo do capital e da meritocracia. Como afirmou Trotsky em uma crítica ao jornalista Shachtman o “Revolução Burocrática”, não basta ser brilhante de modo a discutir o resplandecente do nosso acumulo teórico, é preciso mergulhar na luta de classes, na vida real das pessoas e esta é uma tarefa árdua que exige muito mais que institucionalização e teorização. A nossa crise não é a do conservadorismo, o conservadorismo é um produto da crise. Por fim a alternativa de recontagem proposta pelo atual governo <Correa> pode ser uma alternativa para acalmar os ânimos no Equador, por outro lado a  recontagem já concluída (hoje 09.04) manteve[3] os resultados da eleição em 2 de abril e posto isto a direita vai tentar outros mecanismos para tornar o governo já escoriado em algo cada vez mais necrótico. Vivemos um momento em que a disputa entre as classes se aparece como evidente debaixo nossos olhos, que isso nos leve à ação.

Referências

Aguilar, G. Raquel. (2017) Horizontes Populares. Producción de lo común más allá de las políticas estado-céntricas. Edição – Traficantes de Sueños, Madrid.

Marx, Karl. (2007) Manifesto Comunista. Editora Boitempo. São Paulo.

Trotsky, Leon.  (2011) Em Defesa do Marxismo. Editora Boitempo. São Paulo.

 

[1] Socióloga, Doutoranda do Centro de Estudos Sociais – Universidade de Coimbra. Orientada pelo Prof. Dr. Boaventura de Sousa Santos