EUA aperta bloqueio contra Cuba

14 de Janeiro de 2020, por Elaine Tavares


O governo dos Estados Unidos  decidiu mais uma vez apertar o cerco contra Cuba. Os acordos feitos com o ex-presidente Obama praticamente já não existem mais. Na última semana Donald Trump decidiu proibir os voos charter para cidades do interior da ilha, bem como os voos regulares para as províncias. Também aumentou as restrições de envio de remessas dos cubanos que vivem nos Estados Unidos e proibiu que os cruzeiros estadunidenses aportem nos portos cubanos. 

A medida foi qualificada como “sádica” já que é uma decisão contra o povo, e fere o direito que os imigrantes têm de se relacionar com suas famílias e com sua pátria. No ano passado, mais de 600 mil cubanos que vivem nos EUA e outros países viajaram para Cuba justamente por conta das facilidades com os voos diretos. Agora em abril está marcada a Quarta Conferência “A nação e a imigração”, como parte de um processo de unidade entre os cubanos que vivem na ilha e os que estão fora. A decisão dos EUA certamente impactará negativamente o encontro.

É importante lembrar que nas últimas sessões da Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova Iorque, 187 países votaram pelo levantamento do bloqueio dos Estados Unidos contra Cuba, tendo sido contrários apenas os EUA, Israel e Brasil. E, mesmo com o clamor mundial contra esse crime de lesa humanidade, os Estados Unidos seguem fazendo o que querem, sem respeitar as instâncias que eles mesmos criaram. 

Com informações do jornalista Pedro Martínez Pírez, desde Havana.