IELA em Maceió

4 de Outubro de 2017, por IELA


O presidente do IELA, professor Nildo Ouriques, participa hoje, da 8º Bienal Internacional do Livro de Alagoas, que aconrtece na capital, Maceió. Ele fala sobre "Os intelectuais e a revolução brasileira ", às 19h,  no Auditório B da Bienal.

A Bienal Internacional do Livro de Alagoas é um evento cultural, literário e social realizado pela Universidade Federal de Alagoas e incorporado ao calendário nacional deste segmento. 

Coordenada pela Editora da Universidade Federal de Alagoas (Edufal), a Bienal vem se estruturando e se aperfeiçoando há quase 20 anos e é o evento que tem lugar especial nos corações e mentes dos alagoanos. Reúne a cada edição aproximadamente 200 mil visitantes, em 10 dias, atraídos pelo prazer da leitura e por tudo o que gira em seu entorno, congregando autores, editores, livreiros, intelectuais, artistas, professores e alunos das redes pública e privada de ensino fundamental, médio e superior de Alagoas e de outros Estados, bem como a sociedade em geral.

No Brasil, a Ufal é a única universidade que planeja, promove e realiza uma Bienal do Livro, inteiramente gratuita. Este fato ajuda a dimensionar o alcance e a responsabilidade da proposição, confiantes na importância de oferecer à sociedade um evento de qualidade, que ultrapasse os “muros” da academia. Fomentada por uma instituição pública e estatal de educação, a realização não tem fins lucrativos, visa unicamente à promoção do acesso à leitura e à cultura, ainda tão insipientes no nosso estado.

A 8ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas começou no dia 29 de setembro e vai até 8 de outubro de 2017, no Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso, prevendo a ocupação de mais de 5 mil metros quadrados de área, para a realização de diversas atividades, tais como: lançamentos de livros, oficinas, espetáculos, palestras, exposição de estandes variados, contações de histórias, bate-papos com autores, espaços de convivência e praça de alimentação.

A Bienal Internacional do Livro de Alagoas, ao longo de suas edições, vai muito além de ser uma apenas uma feira de livros, promovendo um debate acerca de diversos temas de interesse da sociedade civil. Este ano não será diferente: com foco especial na cultura e na identidade regional, o evento terá como tema o Bicentenário da Emancipação Política de Alagoas (1817-2017), que servirá como mote para refletirmos sobre nossa formação histórica e sobre a construção de uma consciência e de uma subjetividade permeadas pela lente da alagoanidade. Sem pretender uma imagem parada, coisificada desta forma de sentir e de estar no mundo, a alagoanidade deve ser entendida tanto a partir das nossas particularidades, quanto pela construção de um modo de ser e de sentir da história mundializada e da cultura global em que vivemos.