Lançamento do livro "O colapso do figurino francês"

15 de Abril de 2015, por IELA

O professor Nildo Ouriques, presidente do Iela, lança nessa quinta-feira, às 18h30min, no Auditório do CSE, o seu mais recente livro “O colapso do figurino francês”.

O trabalho é uma devastadora crítica do pensamento eurocêntrico e colonizado predominante nas ciências sociais e nas universidades brasileiras, e propõe o desenvolvimento de um pensamento crítico, próprio, que possa romper com a resistência às proposições revolucionárias e libertadoras.

Nildo Ouriques fala de um figurino francês que acabou hegemônico no país por conta da expansão do pensamento “uspiano” e mostra como não apenas a ditadura militar, mas também boa parte da esquerda brasileira silenciou um pensamento seminal e radical que nascia no Brasil e na América Latina a partir de pensadores como Gunder Frank, Ruy Mauro Marini, Theotonio dos Santos e Vânia Bambirra.

Assim, esgrimindo uma valente crítica Ouriques também vai apresentando os pontos centrais desse pensamento que ficou conhecido como a “Teoria da Dependência”, para além das imposturas de Fernando Henrique Cardoso.

Diz a nota da Insular, editora que abraçou a ideia de publicar o livro: “Arrebatado e insurgente, Nildo é líder de uma batalha empreendida para superar o atraso intelectual brasileiro nas ciências sociais e a ruptura com seus atuais fundamentos: o figurino francês, ou seja, o velho colonialismo mental e seu corolário, é a tentativa de perpetuar no Brasil a ignorância a respeito do caráter essencial da contribuição do pensamento crítico latino-americano ao desenvolvimento de nossas ciências sociais. E quer ainda desfazer o engodo que se armou sobre Frank e Marini, tentando tornar infecundas as ciências sociais ao anular as bases teóricas do radicalismo político e desestimular uma contundente ruptura da maioria do povo brasileiro com o status quo”.

O livro ainda avança para o debate sobre outro tema que não encontra guarida na esquerda brasileira: o nacionalismo revolucionário. Nildo insiste no fato de que é necessária uma perspectiva nacional na luta que se trava pelo socialismo. Sem isso, falhamos.

O lançamento do livro terá um pequeno comentário da jornalista Elaine Tavares e dos professores Waldir Rampinelli e Daniel Correa da Silva. Logo após será servido um coquetel.

O autor

Nildo Ouriques é um dos mais importantes e combativos militantes da causa socialista e da unidade latino-americana. Sua trincheira é o Instituto de Estudos Latino-Americanos – o IELA – na Universidade Federal de Santa Catarina, onde leciona no departamento de Economia e Relações Internacionais. Suas temáticas principais são a dependência e o subdesenvolvimento na América Latina, a integração latino-americana e as transformações do capitalismo contemporâneo, as relações entre dependência e imperialismo e marxismo e nacionalismo, sempre na perspectiva da teoria marxista da dependência e do pensamento crítico latino-americano.

Possui doutorado em Economia pela Universidade Nacional Autônoma do México, pós-doutorado pela Universidade de Buenos Aires (UBA) e é professor do Programa de Doutorado em Desenvolvimento Econômico da Benemérita Universidade Autônoma de Puebla (México).

Como presidente do IELA destaca-se por sua intensa e comprometida ação na publicação de livros, realização de eventos, seminários e debates, na divulgação de informações sobre a América Latina junto aos movimentos sociais, sindicatos e órgãos governamentais.

Dirige a Coleção Pátria Grande, Biblioteca do Pensamento Crítico Latino-Americano, em coedição do IELA e Editora Insular, pela qual se divulga autores clássicos da sociologia, economia, política, história e antropologia latino-americana, praticamente excluídos do mercado editorial ou nunca publicados em nosso país.

Promove há 10 anos com o IELA as Jornadas Bolivarianas, que são encontros anuais já consagrados e dedicados à avaliação crítica da vida política, econômica e cultural dos países latino-americanos, a enunciar e difundir análises destinadas a sobrepujar os princípios estruturais que perpetuam a dependência e o subdesenvolvimento em nosso continente.

Em sua vigorosa atividade capacitou-se na Divisão de Pesquisa do Banco Central da Venezuela e já ministrou cursos sobre o pensamento crítico latino-americano na Universidade Nacional de Tucumán (Argentina), Universidade Bolivariana (Venezuela), Universidade de Padova (Itália) e várias universidades brasileiras.