Mudanças no governo Trump

14 de Março de 2018, por Elaine Tavares

Gina Haspel tem 61 anos e 30 anos de CIA
Gina Haspel tem 61 anos e 30 anos de CIA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, demitiu o secretário de Estado, Rex Tillerson, e colocou no seu lugar o diretor da CIA, Mike Pompeo. E, para dirigir a Central de Inteligência, nomeou a atual subdiretora, Gina Haspel, que vem a ser a primeira mulher a ocupar o cargo de diretora geral da famosa agência de espionagem estadunidense. Os dois nomes devem ainda ser confirmados pelo Senado.

O nome de Gina Haspel para dirigir a CIA poderia ser saudado nesses tempos em que o respeito aos direitos da mulher vem sendo fortemente reivindicados. Afinal, esse é um cargo nunca antes ocupado por mulher. Mas, ao contrário do regozijo, a nomeação está sendo duramente criticada. Não por ser uma mulher a dirigir tão importante agência governamental,  mas pelo fato de ser Gina Haspel uma das principais figuras de um programa de tortura implementado pela CIA durante o governo de George W. Bush.

Ela era responsável por dirigir uma prisão clandestina da CIA na Tailândia, onde os prisioneiros eram submetidos a afogamentos e outras torturas, algumas delas impostas pessoalmente por Gina. 

A demissão do chamado "tiranossauro" Rex já era esperada visto que há poucos meses o secretário havia chamado o presidente estadunidense de “fodido idiota” durante uma reunião sobre segurança nacional. 

Sobre a nova diretora da CIA, a jornalista Amy Goodman, do sítio de notícias Democracy Now entrevistou o jornalista Jeremy Scahill, do Intercept, e ele foi quem confirmou as informações sobre os casos de tortura comandados por Gina Haspen na Tailândia. “Ela comandou o programa e também participou na particular e horrível tortura do preso Abu Zubaydah. Esse tipo de postura não é novidade na CIA. E as práticas de tortura cometidas por Gina sempre foram do conhecimento da direção, tanto no governo Bush quanto no de Obama, que seguiu permitindo os centros clandestinos. Esse é o governo de Trump, uma reunião de multimilionários, fanáticos, que odeiam muçulmanos e amam a tortura”. 

Tanto Pompeo, agora Secretário de Estado, quanto Gina - ambos oriundos dos quadros da CIA - compartilham da ideia de que Edward Snowden deve ser assassinado por ter divulgado o programa de vigilância doméstica que segue em curso. Os dois são publicamente contra as liberdades civis e defendem a ideia de que é preciso vigiar a população mundial.