Professores do IELA defendem memorial para a vaga de titular

10 de Maio de 2018, por Elaine Tavares

O IELA se engrandece e se orgulha
O IELA se engrandece e se orgulha

A equipe do Iela viverá , nessa sexta-feira, um desses momentos estelares. Dois de seus membros – Nildo Ouriques e Beatriz Paiva - estarão apresentando seus memoriais para a obtenção do cargo de professor titular, o ponto mais alto da carreira docente, o momento em que a vida e a obra se derramam, se enlaçam e se apresentam publicamente, consolidando um tempo de criações e de belezas no serviço público, na universidade.

Nildo Domingos Ouriques e Beatriz Paiva, duas experiências absolutamente distintas que se encontram para, na diversidade do seu ser, criar um espaço de unidade dentro dos estudos latino-americanos. Um lugar único, sem precedentes na universidade brasileira.

Beatriz Paiva faz sua formação em Serviço Social no Rio de Janeiro e começa sua história como docente na Universidade Federal daquele estado em 1991, transferindo-se para a UFSC em 1994, onde passa a atuar no departamento de Serviço Social.

Nildo Ouriques forma-se em Economia na UFSC e completa sua pós-graduação no México, de lá retornando para a UFSC, onde ingressou como professor concursado em 1995, embora já tivesse atuado por sete anos como substituto.

Cada um deles vinha cumprindo sua história nos departamentos específicos, ainda que no mesmo Centro. Beatriz, de riso iluminado, puro sol. Nildo, cenho franzido, mas generoso. Até que uma ideia os unificou. A de criar um espaço de estudos latino-americanos, coisa que aconteceu em 2004, com o início das atividades do Observatório Latino-Americano, dois anos depois transformado em Instituto, o IELA.

E, mesmo no IELA, que acabou sendo o lugar do encontro na análise sobre a América Latina, cada um deles foi trilhando um singular sendeiro. Beatriz no Serviço Social, Nildo na Economia, uma e outro se destacando no seu fazer específico como teóricos e como professores. Pesquisas, artigos, livros, eventos, grupos de estudo, uma profusão de atividades cujo centro sempre foi e é o aluno. O cuidado com os estudantes da graduação, o compromisso com ensinar seu tema específico ligado aos dilemas do nosso continente.

Por isso que é tão significativo que os dois vivam esse momento da defesa da vaga de professor titular no mesmo dia. Porque fazem parte de uma equipe, porque são braços de um mesmo projeto, porque estão amalgamados no mesmo compromisso de defesa de uma universidade pública, gratuita, com qualidade e inserção na vida real, na resolução dos problemas nacionais. Uma história que iniciaram com as jornalistas Elaine Tavares e Raquel Moysés e que depois ganhou novos parceiros.

São dois mundos diferentes, Nildo e Beatriz, cada um com seu brilho próprio. Mas, são também corpo unificado de um sonho que se fez real: o IELA.

Assim que nessa manhã de sexta-feira, nós, da equipe do IELA convidamos a toda a gente que queira acompanhar essa hora histórica, a se fazer presente no Mini-Auditório de Economia e Relações Internacionais.

Nildo fará sua defesa às 8h e 30 minutos. Beatriz às 13h e 30 minutos. A banca é a mesma para os dois professores: Ary César Minella (UFSC) – presidente, Luiz Jorge Vasconcellos Pessoa Mendonça (UFES), Gilberto Felisberto Vasconcellos (UFJF), Potyara Amazoneida Pereira e Pereira (UNB) e certamente cada uma das defesas será um desses momentos bonitos que a universidade raramente proporciona. Um embate de ideias. Um bailado intelectual.

A defesa é pública e aberta. Compareçam. Valerá a pena.