Que venha o novo ano

29 de Dezembro de 2017, por Elaine Tavares


Amigos do IELA

Encerramos mais um ano, o décimo terceiro desse projeto que nasceu pequeno, como um Observatório Latino-Americano e hoje, como Iela, avança, seguro e consolidado por toda a América Latina como um importante espaço de reflexão e de pensamento crítico anti-capitalista. 2018 será um ano cheio de desafios e nós estaremos aqui, para analisar, informar e debater. Agradecemos a toda a gente que nos acompanha e que compartilha conosco seus saberes. Seguimos por essas veredas de "Nuestra América", construindo a Pátria Grande e convidamos para continuarem caminhando conosco nesse processo que se aprofunda e que constrói, dia-a-dia, a compreensão crítica da realidade. Boas festas e um feliz recomeço.

2018 trará com ele grandes eventos que marcarão de forma indelével a vida nacional. Nós estaremos, tal como lembra o poeta palestino Mahmud Darwish, "vigilantes, e prontos para o combate".  

Segue uma crônica da jornalista Elaine Tavares, que representa bem os desejos da equipe do IELA.

Que venha o ano novo

As celebrações de um novo começo na vida das gentes são tão antigas quanto a própria raça. Nas culturas mais remotas o “recomeço” era celebrado sempre no solstício ou equinócio de primavera (dependendo do hemisfério), quando tudo começa outra vez a florir. É que como o conceito de tempo ainda não havia sido aprisionado nos relógios a vida das comunidades se regia pelas estações. Naqueles dias, o povo se reunia em festivais, cantando, dançando e bebendo em honra da terra. As mulheres engravidavam e a vida florescia. Era a completude do ciclo da existência, sempre se repetindo.
 
De qualquer forma, na medida em que as culturas foram se complexificando, igualmente encontraram formas de medir o tempo. Os maias, por exemplo, lograram construir um intrincado calendário com 364 dias, e mais um outro, chamado de “dia fora do tempo”. Este, celebrado em 25 de julho, marca o início do novo ciclo. Já nas culturas do médio oriente, a festa era no equinócio de março, por conta da estação. A comunidade judaica comemora sua festa de Ano Novo, ou Rosh Hashaná, uma espécie de dia do julgamento, em meados de setembro ou no início de outubro, onde as pessoas fazem um balanço da vida. Os islâmicos celebram em maio, contando o tempo a partir do aniversário da saída do profeta Maomé de Meca para Medina, a Hégira, cujo marco corresponde ao 622 da era cristã.
 
Na China, o “recomeço” é celebrado em datas nem sempre fixas, mas entre final de janeiro e início de fevereiro. Lá, o calendário está relacionado ao movimento da lua e conta cada mês como o mês de um dos 12 animais que se apresentaram na frente de Buda e o ciclo da vida segue esta dinâmica, sempre começando na primavera.
 
O mundo ocidental também institui o seu “recomeço” a partir de um deus, que não é o cristão. Foi o imperador Julio César, no ano 46 antes de Cristo, que determinou o primeiro de janeiro como o dia do início do ano, em homenagem a Jano, o cuidador dos portões. Depois, mais tarde, com a oficialização do calendário gregoriano, esta data permaneceu. Os franceses deram o toque romântico chamando-o de réveillon, que vem do verbo réveiller, cujo significado é "despertar".
 
E assim as gentes escolhem seus momentos de despertar, de balanço, de julgamento de suas vidas. Vemos que tudo depende da cultura onde se está inserido embora a ideia seja sempre a mesma: recomeçar, jogar fora o que foi ruim, esquecer, olvidar. Começar de novo, dar-se novas chances. E assim, vai avançando a raça, buscando aquilo que os filósofos gregos insistiram em chamar de “felicidade”. Pois eu, que reverencio a terra, os animais, as forças da natureza, que amo Jesus, Maomé, Khrisna e Buda, também vou comemorar. Que venha mais um ciclo, e que seja bom. Que floresça a vida, o amor e a paz. E que todos os povos possam vibrar na mesma onda cósmica. 
 
Eu te convido a dançar na noite da virada, com os deuses e deusas, sob as estrelas. Para que possamos receber com alegria o ano novo, recomeçar... despertar! Ah, quanta bênção em se viver neste grande grande jardim!
 
2018 será duro e exigirá muita luta. Ensaiemos o riso e afiemos as adagas. Já vem a batalha. Mas, enquanto ela não chega, cantemos! ... Pois, como já nos ensinaram os povos andinos, antes de qualquer grande obra ou guerra é preciso celebrar. Nunca sabemos se voltaremos vivos...
 
Elaine Tavares