E quando despertaram, Trump ainda estava ali

23 de Janeiro de 2018, por IELA

Marchas aconteceram em todo o país em protesto contra Trump
Marchas aconteceram em todo o país em protesto contra Trump

Editorial do Jornal La Jornada, do México, analisando o primeiro ano de Donal Trump na presidência dos EUA.

Doze meses - tempo que leva no cargo - foi o suficiente para que Donald Trump se tornasse o presidente mais impopular que os Estados Unidos tiveram nos últimos 72 anos. É verdade que o republicano não ganhou a presidência por votação direta, mas graças ao peculiar sistema eleitoral de seu país, no qual o colégio eleitoral desempenha um papel fundamental; mas a diferença de votos que recebeu (2,8 milhões menos que sua oponente Hillary Clinton) não foi tão grande, o que explica a desconfiança que os eleitores da fronteira norte mostram agora por seu presidente.

A chave está na própria gestão de Trump. No plano externo, sua promessa de tornar os EUA um país grande (o que em sua retórica significa capaz de direcionar arbitrariamente e unilateralmente a política mundial) resultou apenas em incidentes diplomáticos, expressões de rejeição pelas mais variadas organizações internacionais e um isolamento que aumenta com cada ocorrência do magnata transformado em chefe de Estado. E na esfera doméstica, que é a que interessa àqueles que votaram nele e celebraram seu triunfo, seus compromissos de mudança não têm muitas perspectivas da serem cumpridas pelo menos no curto ou médio prazo. De fato, mais da metade dos americanos de todas as orientações políticas acreditam que a situação interna do país é pior do que antes que Donald Trump fosse instalado na Casa Branca, e não mostra nenhuma tendência para melhorar.

Os mais desapontados estão alinhados do lado do Partido Republicano, que é o partido do presidente. Alguns chegaram a tornar-se pública e seriamente preocupados com a saúde mental de Trump por conta das declarações absurdas ou ofensivas que ele fez desde o seu Salão Oval; mas um setor amplo não esconde sua frustração pela estagnação dos planos orientados para modernizar uma infra-estrutura que, de acordo com eles, é obsoleta pelas negociações econômicas erráticas que a administração enfrenta em diferentes frentes e particularmente pela instabilidade da equipe presidencial, quase constantemente sujeita a todos tipo de fricção, mudanças e relevos.

Várias das medidas legais e sociais (ou antes anti-sociais) promovidas por Donald Trump também são uma fonte de irritação e descontentamento, mesmo entre a população nativa dos Estados Unidos, porque não só afetam os grupos para os quais foram adotados - especialmente migrantes de diferentes países e origens - mas afetam negativamente as economias locais dos estados fronteiriços do sul e alguns outros que mantêm vínculos comerciais ativos com regiões específicas do México. Além disso, é claro, prejudicar um tecido social e familiar que possui sua própria dinâmica transfronteiriça.

Deve-se dizer, é claro, que alguns indicadores macroeconômicos falam favoravelmente da gestão de Donald Trump. tratam-se de cifras que alimentam um processo intensivo de concentração de capital, porque as disposições fiscais de sua administração levaram os ricos a se tornarem mais ricos, fortalecendo um setor que constitui a base de apoio mais forte para o atual governo de Washington.

Em contraste, o trabalho de Donald Trump no seu primeiro ano de mandato não cumpre as expectativas daqueles que votaram nele porque ficaram insatisfeitos com a política tradicional; a ineficiência das instituições públicas; a mobilidade social quase inexistente do trabalho (que em outros tempos era um dos motores do sistema do mercado livre); a perspectiva cada vez mais distante de alcançar uma vida digna em termos de habitação, ocupação, saúde, educação e segurança e o discurso de uma democracia puramente formal, onde a única participação do cidadão é votar periodicamente por opções que ele nem sequer escolhe.

Por outro lado, é provável que os 12 meses de Trump na Casa Branca representem uma conquista para aqueles que votaram em suas posições racistas, xenófobas e favoráveis ​​de exclusão; para aqueles que, nas palavras do cientista político Samuel P. Huntington, ainda desejam sonhar o sonho criado por uma sociedade anglo-protestante.

Porque para outros, quem são a maioria, Donald Trump é uma calamidade.