Povos indígenas da Guiana Francesa contra a hipocrisia de Emmanuel Macron

27 de Agosto de 2019, por Maicon Cláudio da Silva

Protesto dos povos originários na Guiana Francesa.
Protesto dos povos originários na Guiana Francesa.

Solidariedade Amazônica

Há várias semanas os olhos do mundo inteiro estão voltados para a floresta amazônica. Ainda assim, frequentemente se esquece, arbitrariamente ou não, que essa floresta é habitada e manejada equilibradamente por povos indígenas há milênios. O vínculo fraterno que nos une entre os povos indígenas da Amazônia transcende as fronteiras administrativas.

Desde a Guiana Francesa, observamos com grande tristeza os incêndios que assolam nossa floresta em diferentes países. A Amazônia é o território ancestral dos povos ameríndios. A Amazônia serviu de refúgio no momento da rebelião contra o sistema escravista.

A floresta é mais do que um conjunto de árvores e animais. Nós, povos ameríndios e Bushinengé (quilombolas), temos com ela um vinculo especial em nível cultural, espiritual, econômico, etc.

Quando nós vemos as chamas, é tudo isso o que se queima e é isto que cria essa profunda compaixão e solidariedade para com os povos e comunidades que estão enfrentando diretamente essa tragédia.

Os responsáveis pela destruição

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro disse em 12 de abril de 1998 que: "[...] a cavalaria brasileira foi muito incompetente. Competente, sim, foi a cavalaria norte-americana, que dizimou seus índios no passado." É óbvio que esse personagem profundamente racista tem grande parte de responsabilidade, mas o Grand Conseil Coutimier se recusa a ceder à facilidade e personificar o problema real que é na verdade, político e econômico e que está apoiado pela maioria dos governantes a nível mundial.

Estes não são meros incêndios, é o trabalho do capitalismo.

O Brasil não é o único país amazônico afetado pelas chamas, a Amazônia não é a única floresta em chamas, na África também a floresta queima e os povos e todos os seres sofrem com essa destruição.

O fogo não é o único perigo que ameaça ou destrói a Amazônia. O extrativismo é amplamente responsável. E estamos surpresos com a posição do presidente Emmanuel Macron, que consiste em denunciar a destruição da Amazônia brasileira ou boliviana, mas ao mesmo tempo entregar 360.000 hectares de floresta para empresas multinacionais de mineração na Guiana Francesa, na Amazônia francesa.

Nosso posicionamento

O Grand Conseil Coutumier é responsável por representar e defender os interesses dos povos ameríndios e bushinengés (quilombolas) da Guiana Francesa.

Desejamos reafirmar nossa solidariedade com os povos diretamente afetados por esses incêndios e pedimos à população que finalmente perceba a importância da floresta.

Nós nos recusamos a co-assinar a declaração da Ministra Annick Girardin, porque nela há uma falta de compromisso em reconhecer os direitos dos povos indígenas e seu papel na preservação da biodiversidade. Apoiamos sua proposta de aumentar o financiamento da UE para o desenvolvimento da Amazônia, no entanto a participação plena dos povos indígenas em sua gestão deve ser garantida. Apoiamos sua proposta de criar um fundo internacional para a Amazônia, mas defendemos que este seja gerenciado diretamente na Amazônia pelos povos e comunidades indígenas.

Notamos o compromisso do Presidente da República, Emmanuel Macron de "associar os povos indígenas"; no entanto, isso deve resultar na participação plena dos povos indígenas em todas as decisões relativas à Guiana Francesa e à Amazônia, garantindo o fortalecimento do Grand Conseil Coutumier como instância de decisória com meios incontestes de funcionamento.

Apelamos mais uma vez ao governo francês que ratifique a Convenção 169 da OIT, a fim de reconhecer verdadeiramente os direitos dos povos indígenas.

Por fim, a Amazônia é muito mais que uma floresta, é nossa "casa", está viva e está morrendo pela ação do homem. Juntos, vamos mudar o destino do nosso planeta e ter a coragem de mudar o rumo para o futuro e para a esperança.

Grand conseil coutumier des Peuples Amérindiens et Bushinengé

Original disponível em: https://agauche.org/2019/08/27/lamazonie-est-bien-plus-quune-foret-affirme-le-grand-conseil-coutumier-des-peuples-amerindiens-et-bushinenge/