Cinema argentino no Circula

27 de Agosto de 2009, por IELA

Cinema argentino no Circula
 
27.08.2009 -O Circuito de Cinema Latino-Americano e Caribenho (CIRCULA) Alí Primera, do IELA, apresenta na próxima quinta, dia 27/08, às 18h30min, no Auditório do CSE/UFSC, mais um filme que discute a temática latino-americana: La Ciénaga

La Ciénaga, dirigido pela estreante Lucrecia Martel, usa uma série de episódios aparentemente sem ligações, e uma sensação de perigo iminente na atmosfera para fazer uma declaração sobre a decadência da classe média argentina. As famílias são retratadas em decomposição, sem muita simpatia, mostrando-se como racistas, insensíveis, e auto-indulgentes. A tela verdadeiramente pulsa com a vida e a feiúra. Cada quadro é preenchido com crianças e animais correndo para dentro e para fora, latidos de cães, todos falando ao mesmo tempo, música aos berros, e da TV gritando algo sobre aparições da Virgem Maria. É quase como se a câmera estivesse inclusa em um encontro íntimo familiar, fazendo com que o espectador se sinta como um convidado em uma festa sem, no entanto, ser convidado.

A narrativa traz duas famílias e seus filhos jogados juntos no final de um verão quente, sufocante, e como toda a gente traz as marcas de imprudência e desatenção: cicatrizes, queimaduras, contusões. Nada funciona neste meio, a piscina está muito suja, um menino perdeu um olho, o outro tem medo de histórias sobre cães, ratos, beber é excessivo e acidentes são uma consequência.  A mãe (Mecha) é uma bêbada que apenas parece estar à espera do fim de enfrentar a vida na cama por 20 anos como sua própria mãe. Ela faz declarações racistas dirigidas para o seu servo, grita a sua própria filha Momi, (que parece estar encantada com o agente), e faz planos de vaga para ir à Bolívia para comprar material escolar para as crianças.
La Ciénaga não é fácil de ver. É mal-humorada, sensual, atmosférica, quase insuportavelmente íntima, com um nível constante de ansiedade e tensão. Você pode sentir a construção de umidade em sua testa. O perigo está sempre perto, e da violência parece não apenas possível, mas provável. Há uma saudade indizível por algo, alguma coisa boa para acontecer para aliviar o vazio da vida. Lembrei-me de Tchekhov e Dostoievski. É quase “bunueliano” no seu sentimento, mas, ao contrário de Buñuel, não é comédia de humor negro, só escuro. O pano de fundo tácito é a história recente da Argentina, um pesadelo interminável de violência política, a agitação social e do desastre fiscal. Só as crianças nos dão alguma esperança para o futuro. É um quadro interessante sobre a arrogância de classe. (Howard Schumann)

O filme contará com a participação e apresentação do mestrando em Economia, Vladimir Murillo,  pela UNAM - Universidade Autonoma do México