A morte no horizonte

13 de Junho de 2021, por Gilberto Felisberto Vasconcellos


Não há na história humana um governo que não prometa ao seu povo a fartura, a felicidade, a beleza. Mas, agora, no Brasil, vivemos essa realidade com um governo que tem como lema a proposta de destruir. Destruir a saúde, a economia, a cultura, a arte. O ódio à beleza, à poesia, ao amor. Como então viver num país assim, sob o signo do horror e da morte? Essa é a pergunta que orienta o comentário do sociólogo e professor da UFJF, Gilberto Felisberto  Vasconcellos.

Ouça Aqui