Peru: Congresso rejeita pedido de impedimento

8 de Dezembro de 2021, por Elaine Tavares

Foto: Wikimedia commons
Foto: Wikimedia commons

A direita peruana, desde a derrota das eleições, vem tentando inviabilizar o governo legítimo de Pedro Castillo. Primeiro, acusou de fraude no pleito, coisa que atrasou todo o processo de posse. Vencida essa etapa, procurou pressionar o presidente eleito para evitar que ele nomeasse seu gabinete com nomes de gente de esquerda. Cada nome anunciado, a oposição colocava uma barreira, e acabou demorando mais de 100 dias para aprovar o ministério constituído. Isso sem contar as baixas que conseguiu provocar. Quando então se pensava que finalmente o presidente Pedro Castillo poderia iniciar seu mandato em um clima de certa tranquilidade veio a moção de vacância, que é nada mais, nada menos, do que o pedido de abertura de um processo de impedimento.

Ontem, na sessão do pleno do Congresso os parlamentares discutiram a moção, mas, de novo, a direita não conseguiu vencer a batalha, ainda que tenha chegado bem perto. A proposta precisava de 51 votos para passar, mas a oposição conseguiu apenas 46, com quatro abstenções. Um total de 128 congressistas participou da sessão e 76 deles votaram contra a moção. 

O debate foi conduzido pela autora da moção, a congressista Patricia Chirinos, que voltou a acusar Castillo de improbidade moral. No campo da situação, o argumento era de que a proposta era completamente inconstitucional. Por fim, a votação encerrou mais esta etapa de tentativa de desestabilização do governo. Resta saber o que virá a seguir. A batalha no Peru não acabou.