Banco Mundial: Sistema educativo cubano é o melhor da América Latina

21 de Dezembro de 2018, por IELA


O Banco Mundial publicou recentemente um informe com os resultados de uma profunda investigação sobre o sistema educativo dos países da América Latina e Caribe apontando também os principais desafios a serem superados. Segundo o documento nenhum sistema escolar latino-americano, com exceção de Cuba, pode ser incluído dentro dos parâmetros que regem a educação de qualidade em níveis globais. 

Na América Latina o número de pessoas envolvidas na educação básica (pré-escolar, primária e secundária) soma sete milhões e cerca de 20% são de trabalhadores técnicos e professores. Seus salários consomem 4% do PIB do continente e as condições de trabalho variam de um país para outro. 
Ainda segundo o relatório os educadores são, na maioria, mal remunerados, sendo que 75% são mulheres, todas oriundas de classe social modesta. Também constata que o corpo docente passa dos 40 anos de idade e é considerado envelhecido. 

O estudo aponta que embora a maioria dos governos diga que está colocando atenção na Educação e buscando qualidade e desempenho dos educadores, o fato concreto é que as metas colocadas para os sistemas educativos não consideram a formação de um indivíduo crítico. O foco está sempre na aquisição de competências para o trabalho e não para a aquisição de conhecimento. 

Em conclusão o relatório do Banco Mundial destaca que há uma baixa qualidade média dos docentes na América Latina o que impede o avanço da educação de qualidade. Os conteúdos acadêmicos são inadequados e as práticas ineficientes. 

“Poucos e mal formados os educadores consagram apenas 65% do tempo de classe para a instrução o que equivale perder um dia completo de ensino por semana. O material didático é pouco utilizado, especialmente as novas tecnologias de informação e comunicação. Também os docentes não conseguem impor sua autoridade, manter a atenção dos estudantes e motivar para a participação”. 

O resultado da pesquisa é implacável: nenhum corpo docente da região pode se considerar de alta qualidade em comparação com os parâmetros mundial. A única exceção é Cuba.

Na ilha caribenha, onde a educação tem sido absoluta prioridade desde a revolução de 1959, há um sistema educativo eficiente e com professores de alto padrão. Cuba é, no mundo, o país que mais investe em educação, reservando para isso 13% do seu orçamento nacional. 

Esta não é a primeira vez que o Banco Mundial (órgão financeiro controlado pelos EUA) elogia o sistema de educação em Cuba. Num informe anterior ressaltava: “Cuba é internacionalmente reconhecida por suas vitórias no campo da saúde e da educação, com um serviço social que supera a maior parte das nações em vias de desenvolvimento e em certos setores se compara aos países de maior desenvolvimento no mundo. Desde a revolução em 1959 e a criação de um governo comunista, o país criou um sistema de serviços sociais que garante acesso total á educação e à saúde. Esse modelo permitiu à ilha conquistar uma alfabetização universal, acabar com certas doenças, dar acesso geral à água potável e saneamento básico, tendo uma das taxas de mortalidade mais baixa do continente e uma das mais altas expectativas de vida”. 

Com informações de Cubadebate.