Colômbia: 251 ex-guerrilheiros mortos

4 de Janeiro de 2021, por IELA

 


Depois do acordo de paz, combatentes entregaram as armas, e agora são caçados e mortos

O ano de 2021 começa com mais um assassinato envolvendo ex-membros das FARC que largaram as armas em função dos acordos de paz. No último sábado, dia 02, foi encontrado o corpo de Duván Arled Galíndez Nadia, de 34 anos, no município de Cartagena del Chaira, estado de Caquetá.  Segundo informes da polícia local ele estava saindo de um bar, às 22 horas, quando foi abordado por um homem que lhe desferiu três tiros, um no peito, outro no pescoço e um no rosto.  

No último dia do ano de 2020 também foram assassinados Yolando Zabala Mazo e sua irmã Reina Zabala Mazo, quando homens armados entraram na casa às quatro horas da manhã, os sequestraram e posteriormente mataram. Yolando tinha 22 anos e sua irmã 17 e também estavam em processo de reincorporação depois do acordo de paz. Com eles somam agora 251 mortos.  

Conforme dados do Centro Nacional de Memória Histórica, esses assassinatos seguem a mesma metodologia dos que envolveram membros da União Patriótica, cujos membros foram sendo exterminados depois de terem largado as armas, acreditando na proteção do governo. Desde 1984 até 2002 foram registradas 4.153 modalidades de violência contra membros da UP. Agora, o mesmo parece estar acontecendo com os ex-combatentes das FARC sem que o governo ponha freio ao massacre.  

Em novembro do ano passado representantes dos ex-guerrilheiros estiveram reunidos com o presidente Ivan Duque justamente exigindo medidas para que cessem os assassinados, que são sistemáticos e cirúrgicos, e receberam a promessa de que o governo iria garantir a segurança das famílias e dos antigos membros das FARC que estão em processo de reinserção na vida cotidiana.  

Segundo o governo, 69% dos assassinatos acontecem em zonas rurais onde acontecem disputas por terras e nas quais os ex-combatentes estão tentando se reincorporar de maneira individual, tornando difícil o acompanhamento. Duque prometeu que dará mais atenção a esse tipo de reinserção provavelmente criando algum programa especifico de intervenção nos 522 municípios onde estão assentados esses combatentes. 

Para o partido FARC, que acompanha de perto o tema, o que tem acontecido na Colômbia é o massacre deliberado dos ex-guerrilheiros, tornando assim cada dia mais distante a sonhada paz.