Protestos em Porto Rico

22 de Janeiro de 2020, por Elaine Tavares

 


Apesar das grandes tragédias que se abatem sobre Porto Rico, a população segue bastante abandonada. Primeiro foi o furacão Maria que deixou a ilha arrasada. Agora, esse ano, um terremoto de 6,4 na escala Richter. Pois apesar de todo o horror ainda há quem se aproveite da desgraça para ganhar dinheiro. Foi o que descobriu a população ao encontrar - por conta do terremoto - um imenso armazém cheio de produtos de emergência como água, fraldas para bebê, baterias, estufas, camas de campanha e gás propano.

Segundo averiguaram, esses produtos datam de 2017 e foram enviados a Porto Rico para que fossem distribuídos às vítimas do furacão. Só que nunca saíram do depósito, pelos menos não para serem doados.

Por conta do achado, os porto-riquenhos estão realizando vários protestos pelas ruas da capital exigindo, inclusive, a renúncia da atual governadora, Wanda Vásquez. Ela assumiu no lugar do ex-governador Ricardo Rosseló, que também foi defenestrado pela luta popular depois de ter sido revelado um vídeo no qual ele e outros assessores faziam troça das vítimas do furacão. A governadora prometeu investigar a fundo e já demitiu três de seus assessores por conta do acontecido. Mas, os protestos não param.

Porto Rico é ainda colônia dos Estados Unidos e tem o status de "estado associado". Atualmente cinco mil pessoas vivem em acampamentos improvisados, pois perderam suas casas no terremoto.

Com informações da Telesur e jornais locais.