Peru ainda sem proclamar o vencedor das eleições

25 de Junho de 2021, por IELA


A missão de Observação Eleitoral da OEA (Organização dos Estados Americanos) emitiu um comunicado no qual descarta qualquer tipo de fraude nas eleições presidências do Peru e insiste na necessidade de que o processo siga adiante e seja dada a posse ao presidente eleito Pedro Castillo. No documento também explica que os dois grupos em disputa tiveram as mesmas oportunidades para colocar suas propostas e que as eleições correram dentro dos regulamentos vigentes. 

A missão da OEA se referiu à decisão do fiscal Luis Arce que suspendeu o pleno da justiça eleitoral para inviabilizar a posse de Castillo e orientou a sua renúncia. Segundo a OEA um representante do Ministério Público deveria assumir e fazer cumprir a Constituição permitindo que o presidente eleito seja definitivamente empossado. 

A batalha contra os poderes constituídos no Peru dada pela candidata derrotada Keiko Fugimori ainda assim segue e seus apoiadores fazem manifestações em frente as casas do presidente  da junta eleitoral, Jorge Salas Arenas, e do chefe do escritório nacional de Processos Eleitorais, Piero Corvetto. A missão da OEA considera essa pressão totalmente descabida numa democracia. 
Mas, se a militância de Keiko se move, a de Pedro Castillo também e está convocada para este sábado uma grande mobilização em todo o país exigindo das autoridades que se dê por encerrado o processo eleitoral e que a posse seja efetivada.

Ontem o fiscal Luis Arce renunciou das suas atividades no Pleno de Jurado Nacional de Eleições, alegando que o mesmo estava atuando contra o sistema eleitoral. Agora, com a renúncia de Arce foi encaminhado um pedido para que o Ministério Público convoque seu representante no Pleno e dê seguimento aos trabalhos, garantindo assim a posse de Castillo.