Golpe é guerra – teses para enterrar 2016

6 de Junho de 2018, por Elaine Tavares


O livro do jornalista Pedro Marin se propõe a discutir os acontecimentos que levaram ao chamado golpe de 2016, quando a presidenta Dilma Roussef foi tirada do cargo, acusada de pedaladas fiscais. Segundo o autor, o livro não é mais um documento-defesa de Dilma, mas sim uma proposta de compreensão sobre como foi possível esse acontecimento, buscando tirar lições que ajudem a interromper este período histórico. “As palavras postas nas páginas reconhecem o caráter golpista da derrubada de Dilma Rousseff, ao passo que também desvelam os erros essenciais de seu governo tanto nos últimos momentos do avanço golpista quanto anteriormente”, diz na apresentação. 

O trabalho conta com uma análise do autor sobre o tema e também entrevistas com Aldo Fornazieri, Bresser Pereira, Guilherme Boulos e Angélica Lovatto com os quais Marin procura analisar o cenário político brasileiro dos últimos anos sob a luz do realismo político, sem conceder no campo moral. 

Marin também analisa a estratégia desenvolvida pelo PT no pós-golpe mostrando que a via de combate pelo campo institucional pode ser um erro: “A candidatura de Lula pode ter um sentido para além da concepção de “vencer as eleições” (o que seria absolutamente ingênuo, dado que mesmo sua liberdade está em risco); ela busca “esticar a corda”, isto é, objetiva forçar a retirada da máscara dos golpistas pela tomada de medidas mais autoritárias. O problema é que, na prática, corda nenhuma está sendo esticada — os golpistas ainda podem operar nas vias institucionais, porque Lula não opera fora delas”.

O livro está disponível no sítio da livraria da Ópera