Submarino argentino desaparecido

21 de Novembro de 2017, por Elaine Tavares

 


Apesar de toda a tecnologia de informação que existe hoje no mundo, ninguém ainda conseguiu fazer contato com o "ARA San Juan", que zarpou há nove dias desde o porto de Ushuaia, no extremo sul da Argentina, e era esperado no domingo passado na cidade de Mar del Plata, 400 km ao sul. Como ele não chegou, a marinha argentina começou a procurar, sem conseguir qualquer sinal com a embarcação.
 
Segundo informações dos jornais argentinos a Armada revelou que o "San Juan" tinha avisado de alguns problemas nas baterias quando fez sua última comunicação na quarta-feira, dia 15, por volta das 10h e 30min. O submarino estava navegando pelo Golfo San Jorge, a 450 km da costa argentina, e não informou sobre qualquer alerta de emergência.
 
O submarino está com 44 tripulantes, entre eles Eliana María Krawczyk, a primeira mulher oficial submarinista da América do Sul, e as condições de clima estão muito ruins há dias, com fortes ventos, temporais e ondas de até cinco metros, o que torna as buscas ainda mais difíceis. A meteorologia informa que só a partir do final do dia de hoje o tempo pode melhorar.
 
Sete países estão auxiliando a Armada argentina a encontrar o San Juan. Há dois dias um ruído no fundo do mar, registrado por barcos argentinos acendeu a esperança. Mas, não se confirmou que fosse do submarino desaparecido, levando as famílias ao desespero.
 
As buscas cobrem uma área de 300 quilômetros, com profundidade de 200 a 350 metros.
 
Apesar de já ter passado tanto tempo, as famílias ainda esperam que todos possam ser resgatados com vida.
Eliana María Krawczyk - primeira oficial submarinista da América do Sul
Eliana María Krawczyk - primeira oficial submarinista da América do Sul